segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

Theoddor de Vrindavahn



Iniciamos as postagens de 2020 com um personagem que não aparece nos livros, a não ser nas memórias do pessoal do Castelo: Theoddor de Vrindavahn, ou Mestre Theoddor, como geralmente se referem a ele.

A despeito da população bem miscigenada, Vrindavahn foi fundada por humanos e por eles governada ao longo de várias gerações. Os nobres residiam no Castelo das Águias, detinham os direitos sobre a floresta e recebiam impostos dos cidadãos e dos camponeses estabelecidos em seus domínios. Com a criação da Liga das Terras Férteis, os títulos de nobreza foram revogados, mas alguns privilégios permaneceram, assim como a posse do castelo.

Theoddor, o último herdeiro, tinha pendor para os estudos da natureza, mas o que mais o fascinava era a Magia, por isso ele estudou incansavelmente a fim de tentar ser aceito na Escola de Riverast. Não conseguiu, pois tinha nascido sem o Dom, mas sua trajetória reforçou as convicções de um dos mestres, para quem a Magia podia se desenvolver através da Arte. Seu nome era Camdell, e ele se tornou um grande amigo de Theoddor, que muitos anos depois o convidou para fundar sua sonhada Escola de Artes Mágicas no Castelo das Águias. Três magos experientes – Finn, Sophia e Thalia --se juntaram a eles com seus aprendizes, e o próprio Theoddor se tornou o Mestre de Ciências da Terra daqueles jovens, bem como de muitos outros que logo começaram a buscar abrigo e aprendizado no Castelo.

Durante os sete anos que ainda viveu, Theoddor promoveu a expansão da Escola, com a construção de novas alas e, especialmente, a de um anfiteatro para os espetáculos que aconteciam a cada estação. Contratou muitos dos artistas que se tornaram professores fixos na Ala Violeta, entre os quais o marioneteiro Tomas. Era amado por todos, e continuou a ser lembrado com muito carinho nos serões do Castelo, bem como nas Noites de Sagas promovidas por Anna de Bryke.

...

Em breve: um conto de Theoddor e do (então) jovem saltimbanco Cyprien de Pwilrie, nos primeiros tempos da Escola de Artes Mágicas!

Ilustração de Theoddor por Hidaru Mei  




segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

Datas Festivas em Athelgard



Para falar dos dias festivos em Athelgard, é preciso lembrar que lá existem várias culturas: a dos humanos, com muitas variações, inclusive influência élfica nas Terras Férteis; a dos Elfos Brilhantes no sul e nas cidades que fundaram no Norte; as dos Elfos das florestas, diferentes de tribo para tribo.
Nesse contexto, cada povo e cada localidade tem suas próprias festas, embora algumas ocasiões sejam lembradas por praticamente todos os habitantes de Athelgard. Isso vale especialmente para o início das estações, marcadas por celebrações que variam de rituais mágicos a cultos celebrados pelos Prestes do Deus Único, passando por autos teatrais, festas da colheita, reuniões com bebida e troca de presentes... ou, em lugares de confluência como o Castelo das Águias, um pouco de todas essas coisas juntas.

A religião adotada pela maior parte dos povos humanos (e mestiços de elfos criados na cultura humana) cultua heróis como Woden, Thonarr, Freya e Bragi,  e cada qual tem o seu dia ou período de festa específico. O dedicado a Freya coincide com os últimos dias de um ano e os primeiros do seguinte, quando muitas mulheres fazem peregrinações aos locais de culto para orar pelas bênçãos da Senhora do Amor e do Casamento; o de Bragi, no meio do ano, costuma ser a ocasião para grandes festas e cultos que incluem muita música e cantos sacros. Por essa mesma época, os Elfos Brilhantes têm o Festival do Fogo, em que é costume recorrer aos magos da alma para uma consulta sobre a melhor atitude a tomar frente às probabilidades do futuro vislumbrado nas chamas. E, em todas as tribos das florestas, os xamãs têm um período de recolhimento durante a última lua nova de outono.

Os festivais populares, menos associados às religiões e mais aos labores cotidianos, também têm sua vez em Athelgard. É assim que em Pwilrie, famosa por seus vinhedos, o ano se inicia com um grande Festival do Vinho, com desfiles organizados pelas guildas de artistas e comerciantes e onde se fazem os maiores negócios envolvendo a bebida; no Oeste, as cidades se revezam ao longo da primavera, verão e parte do outono para organizar grandes mercados, com festas e comemorações na maioria das noites; em todo o Norte há festas da colheita de trigo, do início da temporada de caça e que comemoram o rompimento do gelo nos mares, lagos e rios.

E quanto a Vrindavahn? Lá, como vimos, a Mestra de Sagas do Castelo das Águias faz questão de honrar diversas tradições nas comemorações de solstício, quando os aprendizes encenam uma peça; mas as tradições do Templo são levadas muito a sério na cidade com maioria de humanos, especialmente as festas de seu Herói patrono, Bragi. Além dos cultos musicais, é nessa época do ano – o auge do verão – em que famílias e amigos trocam presentes, sendo o mais tradicional um poema ou canção, que pode ser composto, cantado, recitado, bordado num pano de linho ou escrito sobre pergaminho decorado.

Alguém sugere um presente para a Anna dar ao Kieran, e vice-versa, no próximo Festival de Bragi?
Fico à espera... para usar num próximo conto. ;) 

...

Ilustração: Bragi, deus nórdico (e Herói em Athelgard) que inspira os bardos e a eloquência. Imagem do Pinterest, não encontrei a autoria. 



sábado, 21 de setembro de 2019

Em Breve, Viagem Literária

Pessoas Queridas,

Passadas a Bienal e a Feira Fantástica, esta semana será de trabalho na BN, revisão de textos e, sobretudo, preparação para a Viagem Literária promovida pelo SP Leituras em parceria com o Estado de São Paulo.


Ao longo de três dias, irei visitar cinco bibliotecas municipais falando sobre meus livros e sobre Literatura Fantástica. Também pretendo divulgar, de leve, nossas atividades na Biblioteca Nacional. Será uma pequena Odisseia da qual, mais tarde, pretendo postar fotos e impressões. Ao longo da viagem, porém, irei dando notícias pelas redes sociais, por isso os convido a me acompanhar no Facebook, Twitter e/ou Instagram.

Pela Magia e pela Arte - o pé na estrada eu vou botar!

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Feira de Literatura Fantástica - 13 e 14 de setembro na Biblioteca Parque de Niterói

Pessoas Queridas,

Acabou a Bienal, e meus olhos já estão abertos pra outra emoção!


Nos dias 13 e 14 (sexta e sábado) realizaremos a segunda edição da Feira de Literatura Fantástica na Biblioteca Parque de Niterói. A programação está incrível, como vocês podem conferir neste link do Fantasia Brasil. E parece que os deuses do tempo vão nos ajudar: sábado, ao que tudo indica, teremos swordplay, para todas as idades!

Bora pro nosso lado da poça!

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Espero Vocês na Bienal!

11 às 18 horas. Sábado e domingo.

Pavilhão Verde, Estande O 83.

Venham!



quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Orlando, vencedor do I Prêmio Odisseia da Literatura Fantástica!

Pessoas Queridas,

É com muito orgulho que anuncio a vitória de Orlando e o Escudo da Coragem na categoria Narrativa Longa Juvenil do I Prêmio Odisseia de Literatura Fantástica, cujo resultado foi anunciado durante a VI Odisseia em Porto Alegre.

Com os finalistas,vencedores e organizadores do I Prêmio
Odisseia de Literatura Fantástica

Fiquei muito emocionada, pelo reconhecimento e porque, realmente, não esperava ganhar. Mesmo assim consegui dar o meu recado, no sentido de multiplicarmos as iniciativas que, além de premiarem os autores mais destacados, contribuam para promover a cultura e o amor à leitura.


Antes de ir a Porto Alegre, eu estive num evento literário em Antônio Prado, na serra gaúcha, e conversei com alunos de duas escolas sobre meus livros. Eles já tinham lido "Orlando" e "Contos Fantásticos de Avós Extraordinários" e tive o prazer de ver os trabalhos que fizeram a respeito.

Cartazes sobre os "Contos Fantásticos" - alguém
esteve no blog Estante Mágica e viu a ilustração de A Era do Leonte!

Cartazes sobre "Orlando"

Esses foram, em resumo, eventos maravilhosos que trouxeram a oportunidade de rever amigos, de conhecer pessoas novas, de transmitir minha mensagem e de renovar minhas forças e determinação de trabalhar em prol da cultura, especialmente da Literatura Fantástica.

Agora, minha energia se direciona para a Bienal que vai começar dia 30 aqui no Rio. Vou estar lá aos sábados e domingos, no estande O 83 do Pavilhão Verde, da Editora Draco. E espero todos os amigos para lhes dar um grande abraço, além, é claro, de apresentar nossos incríveis livros e HQs. Orlando vai estar lá, assim como a nossa nova coletânea, Duendes, com onze contos de fantasia sombria.

Vamos lá?

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Rumo ao Paralelo 28 e à Odisseia!

Pessoas Queridas,

Lá vou eu para uma nova jornada, com grandes expectativas!

Minha viagem começa no dia 22 de agosto, que passarei em trânsito. Vou para Antônio Prado, cidade da serra gaúcha onde, no dia 23, visitarei duas escolas (soube que os jovens fizeram trabalhos sobre um conto meu, estou supercuriosa) e, à tarde, participarei da Odisseia Itinerante de Literatura Fantástica, que vai rolar em meio ao Festival Literário Paralelo 28. Minha mesa é com Enéias Tavares e André Cordenonsi; vamos falar de steampunk e de fantasia medieval, tudo junto e misturado!





À noite eu viajo para Porto Alegre, e nos dias 24 e 25 de agosto vou estar na VI Odisseia de Literatura Fantástica. O evento contará com venda de livros e outros produtos e com mesas-redondas de que participarão escritores, editores e pesquisadores do Fantástico.

Estou numa mesa marcada para o sábado, às 14 h, cujo tema é  “Fantasismo e a (Re) construção de mundos fantásticos”. Vou debater com André Cordenonsi, Bernardo Stamato, Leandro Pileggi e Simone Marques. Esperamos muita participação do público.


Por fim, no domingo, às 18 horas, haverá a cerimônia de entrega do I Prêmio Odisseia de Literatura Fantástica, do qual meu livro Orlando e o Escudo da Coragem é um dos três finalistas na categoria Narrativa longa – literatura juvenil.


Aqui está a sinopse, para quem não conhece:

Dividido entre o Dom da Magia e o desejo de ser um cavaleiro, Orlando tem uma única certeza: ele lutará até o fim por aquilo em que acredita. E toda a sua coragem e habilidade serão postas à prova durante um torneio no misterioso Reino das Colinas Negras. Depois de “Anna e a Trilha Secreta”, este é o novo livro dedicado aos leitores mais jovens por Ana Lúcia Merege, criadora do universo Athelgard.

                                            

Curtiu? Então torça pela gente!

Até lá, ou até breve!



Veja a programação completa da Odisseia