quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Cronologia dos Livros e Contos



Oi, Pessoas, tudo bem?

Lendo os comentários numa resenha de "Um Estranho Equinócio", dei-me conta de que alguns leitores ficam em dúvida sobre qual conto devem ler primeiro, ou mesmo se ler contos antes de "O Castelo das Águias" pode estragar as surpresas do livro.

Na verdade, é possível começar por qualquer conto. Aqui no blog há muitos, alguns datados de muito antes da ação de "O Castelo das Águias" (dá para ver como os avós da Anna se conheceram, imaginem!) e outros focados em mestres da Escola de Artes Mágicas que não a Anna ou o Kieran. Deixo aos visitantes a tarefa de ordená-los (ou não) ao longo de seus passeios.

Já entre os publicados, o que encontramos são episódios que não interferem nos acontecimentos dos livros. Pelo contrário, eles esclarecem alguns pontos que podem ter sido apenas mencionados de passagem, como acontece com "A Ilha dos Mares Gelados" em relação a "A Ilha dos Ossos". "Um Estranho Equinócio" é o único que se passa no período "entre-romances", mas não "entrega" nada que a sinopse de "A Ilha dos Ossos" já não tenha revelado; e se sabemos que Anna e Kieran se casaram, por que não ajudar Urien a descobrir quem desejava envenenar o Mestre das Águias na véspera do enlace? :)

De qualquer forma, embora a ordem de leitura não seja estrita, decidi estabelecer uma cronologia dos livros e contos publicados até agora, desde "A Voz do Sangue", que se passa em tempos mais remotos (cerca de 80 anos antes de "O Castelo das Águias") até o mais recente, o livro "A Ilha dos Ossos". Vamos lá?

.......

A Voz do Sangue

O Anel do Escorpião

A Encruzilhada

Anna e a Trilha Secreta

O Tesouro dos Mares Gelados

Em Nome de Thonarr

O Fogo Interior

O Jogo do Equilíbrio

O Castelo das Águias

Um Estranho Equinócio

A Ilha dos Ossos

.......

Espero que vocês tenham oportunidade de conhecer algumas destas histórias - e, se gostarem, que ajudem a espalhá-las por aí.

Até breve!

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Navegando em Águas Sombrias


Recentemente falei sobre a origem de Athelgard e como esse mundo vem-se expandindo cada vez mais através de contos e novelas, tanto aqui no blog quanto em publicações virtuais. Agora, chegou o momento de apresentar uma história mais longa: o livro que dá sequência ao romance “O Castelo das Águias”.
Em 2005, quando comecei a escrever a primeira versão do “Castelo”, não fazia ideia de que estava iniciando uma série. Era mais uma das histórias que nasciam e se desenvolviam de forma independente, embora já estivesse ligada a outras, mais antigas, passadas no mesmo universo. No entanto, a história de Anna e Kieran cresceu tanto que acabou não cabendo num só livro. Ou melhor: não terminando num só livro. Porque o final de “O Castelo das Águias” é feliz, mas ao mesmo tempo deixa claro que eles estão apenas no começo.
A escolha de Kieran como narrador para o segundo livro também não foi planejada. No “Castelo”, Anna de Bryke está apaixonada pelo mago como só uma adolescente pode estar, mas mesmo ela percebe que existem aspectos mais sombrios na personalidade dele, além de histórias que ele não quer ou não pode lhe contar; e também percebe que há arestas a serem aparadas no relacionamento dos dois. Continuar com a Anna como narradora seria prolongar essa sensação, por isso optei por usar o ponto de vista do Kieran e deixar claro desde o início o que a Anna já suspeitava: sim, ele é justo e bem-intencionado e a ama de verdade, mas não, ele não é o que se pode chamar “uma boa pessoa”. Ou, pelo menos, não foi assim a vida toda. E, dentro das regras da Magia, está fazendo o que pode para compensar desequilíbrios do passado.
“A Ilha dos Ossos” começa justamente com um conflito entre Anna e Kieran, que já foi antecipado em “O Castelo das Águias” e em alguns contos. Uma das coisas que – espero – o leitor irá perceber é que Anna cresceu muito de um livro para o outro, ganhou confiança em si mesma e se opõe à tentativa de Kieran de controlar sua vida sob o pretexto de “protegê-la”. Isso sem gritar ou chutar baldes, muito menos canelas, pois esse nunca foi o estilo da nossa heroína; ela resolve tudo por meio da palavra. E é a palavra que a conduzirá a salvo ao longo de uma perigosa aventura, a qual, no entanto, só vamos conhecer na segunda metade do livro. Antes disso, o leitor acompanha a jornada de Kieran pelo Oeste de Athelgard, enfrentando todo tipo de obstáculo com a ajuda de suas armas fieis: o Metal e a Magia.
Assim, deixamos a segurança das Terras Férteis para cruzar pântanos sombrios, visitar castelos malditos e navegar em águas traiçoeiras. Não é uma escolha que o Kieran teria feito de boa vontade (nem a Anna, se ela soubesse), mas resultou numa história muito legal, e eu adorei escrevê-la.
Com vocês – “A Ilha dos Ossos”!

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

A Ilha dos Ossos : Pré-venda e Promoção



Queridas Pessoas,

Chegou um momento que muitos aguardavam... Enfim, "A Ilha dos Ossos" entrou em pré-venda! Por um preço muito especial e com um brinde incrível, que é o e-book "A Saga de Thorold" - uma novela de 90 páginas, ou seja, um terceiro livro, ambientado nas Terras Geladas de Athelgard, inteiramente grátis!

E se vocês ainda não têm "O Castelo das Águias", melhor ainda: nessa promoção, os dois livros físicos mais o e-book de "Saga" saem todos por apenas R$ 49,90 - o mesmo preço que "A Ilha dos Ossos" terá nas livrarias!

Passem no site da Draco e confiram. Espero vocês para viver esta aventura!

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Diários da Reescrita 6 : Entre Betas e Críticos


Pessoas Queridas,

Vocês já devem ter percebido que estamos entrando numa nova etapa. Saíram alguns e-books, o segundo livro da série está chegando - vocês até já sabem o título! - e as fronteiras de Athelgard estão se expandindo cada vez mais.

Em breve teremos posts sobre os personagens de "A Ilha dos Ossos", links para novas resenhas, fotos de lançamento, promoções e, é claro, contos. Não vai ser bem um reinício, porque já tínhamos bastante material para compartilhar, e ele continua disponível, mas espero que tanto a série como o blog adquiram um novo fôlego a partir de agora. E, claro, que cada vez mais leitores se juntem a nós.

Já que falei em leitores, aproveito para deixar aqui os meus sinceros agradecimentos às três pessoas que acompanharam o processo de reescrita de "A Ilha dos Ossos". A primeira versão teve cinco leitores, três dos quais foram acompanhando os capítulos à medida que eu os escrevia, mas isso aconteceu sem compromisso de parte a parte, ao passo que desta vez as minhas cobaias  leitoras deviam prestar atenção aos detalhes e apontar cada errinho, cada probleminha, cada coisa que achassem que não funcionava. Para minha sorte, não acharam muitas, e além disso elas foram extremamente gentis em suas observações - mas o mais legal disso tudo é que, analisando bem, cada uma contribuiu para o livro de uma forma específica.

A primeira a concluir a leitura não viu senão problemas ligeiros ao longo do texto. Eu tinha pedido a ela que prestasse muita atenção no desenvolvimento dos personagens secundários, pois reconheço que eles podiam ter sido mais caprichados em "O Castelo das Águias". Fiquei feliz quando
ela disse que isso foi corrigido no segundo livro. No entanto, quando chegou ao fim, afirmou que eu poderia prescindir do epílogo, o que me fez repensar e reestruturar todo o último capítulo, tornando a escrita mais fluida, ágil e direta.

Minha segunda beta, que não é - ou pelo menos não era até então - uma leitora habitual de fantasia, se preocupou com o estilo da escrita e apontou vários trechos que pareciam "melosos" ou simplesmente românticos demais para caber na prosa seca do Kieran. É a ela que se deve a maior parte dos cortes, mas também a coerência na voz do personagem-narrador.

Depois de ter feito as modificações que julguei pertinentes, sugeridas pelas duas (sim, porque há coisas das quais você não abre mão; betas não são infalíveis, e em alguns casos as opiniões são conflitantes. Follow your heart) , o livro passou às mãos da leitora crítica recomendada pelo editor. Embora sejamos amigas, confesso que eu estava apreensiva com seu julgamento; no final, seria ela a me dizer se, como um todo, a obra havia funcionado ou não. Para meu alívio, ela fez apenas algumas observações, aliás muito pertinentes, que deixaram os diálogos e reações dos personagens mais verossímeis - e ainda pegou um "furo de continuidade" que, embora fácil de resolver, poderia ter feito os "outros" leitores críticos caírem de pau.

Eu disse "os outros" leitores críticos? Sim, pois em breve irei me deparar com muitos deles. Cada pessoa que ler esse livro será um crítico e terá sua opinião, e alguns farão questão de emitir a sua, positiva ou negativa, fundamentada ou não, muitas vezes sem levar em conta a maneira como o fazem. Isso é normal e estou preparada na medida do possível, mas saibam, principalmente vocês que também escrevem e pretendem publicar um dia: nunca estamos preparados o bastante. Claro, entendemos que nossos livros não podem agradar a todos, mas a crítica maldosa, grosseira ou simplesmente descuidada fere sim. E, quando isso acontece, ajuda muito lembrar que, lá atrás, pessoas competentes e criteriosas leram nosso trabalho e o elogiaram, ainda que tenham dado pequenos toques para torná-lo ainda melhor.

Assim, às vésperas do lançamento, ergo uma taça e proponho um brinde a Ana Carolina, Vânia e Allana, as três fadas-madrinhas deste livro. Muito obrigada por acompanharem o Kieran em sua jornada. Muito obrigada por ouvirem as histórias da Anna, as minhas histórias. Muito obrigada por acreditar.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Séries da Editora Draco em 2014

Nada melhor que começar um novo ano (o chinês, esqueceram?) e o mês do meu aniversário com uma boa notícia...

Neste vídeo é revelado enfim o nome do próximo livro. E vocês ainda ficam sabendo quais séries publicadas pela Draco terão continuação em 2014. Isso, é claro, fora os novos romances, coletâneas e e-books que serão anunciados em breve.

Também em breve a capa completa com ilustração da talentosa Carolina Mylius.

É só esperar!