quarta-feira, 10 de maio de 2017

Além de Agora : um conto de Cyprien de Pwilrie (parte 14)

       

         -- Olhe! São eles, sim! – A voz risonha de Cassius nos fez suspirar de alívio. -- E veja quem também está aqui com os dois. Thierry e Aymon!
         -- Que pena! Eu não teria vindo se soubesse -- disse Nayla, em tom seco, enquanto o tecelão a ajudava nos últimos degraus. Thierry guardou a arma e ficou a fitá-la, de braços cruzados, como se aguardasse que ela fosse até ele.
         -- O que estão fazendo aqui? -- perguntou Tina, aproximando-se dos recém-chegados. -- Como descobriram que éramos nós?
         -- Bem, encontramos Sanson por acaso, e ele nos disse -- respondeu Nayla. -- Mas só falou de você e Cyprien; e como eu ia imaginar que a briga estava acontecendo na frente desses dois?
         -- Mas de que briga está falando? Quer dizer -- expliquei --, nós discutimos mesmo um pouquinho, mas como vocês sabiam disso? Não diga que é possível nos ouvir lá de baixo!
         -- Só ouvir? Nós vimos -- replicou a dançarina. -- E não só nós, mas toda a cidade. Vocês estão fazendo um belo espetáculo de sombras. Cyprien devia descer e passar o chapéu.
         -- O quê? Então todo mundo estava olhando?
         -- Estava -- confirmou Cassius, com uma risada. -- Havia uma multidão aqui em frente, a uns vinte passos, com o nariz para cima. Ouvi até um rapaz apostando que o camarada -- quer dizer, você, Cyprien -- ia acabar aos beijos com a mulher, e outro dizia que não, que ia mas é lhe dar uns tabefes. Estava muito engraçado. Ei, por que está me olhando com essa cara?
         -- Por nada -- respondi, sem conseguir juntar as ideias que me vinham como raios.
         -- Não ficou zangado, ficou? -- perguntou Nayla, tocando-me o braço. -- Nós não fomos os únicos. Muita gente estava prestando atenção.
         -- Muita gente -- repeti, procurando pensar com calma. -- Então escute: e quanto aos soldados? Eles também estavam olhando?
         -- Os soldados? Bem, alguns sim, eu acho. Por que a pergunta?
         -- Acho que começo a entender -- murmurou Aymon.
         -- Ah, é? Pois eu não -- disse Thierry. -- De que adianta saber se os soldados estavam vendo a briga?
         -- Adianta, e muito -- repliquei, sentindo a excitação tomar conta de mim. -- Cassius, como estão as coisas no patíbulo? O prisioneiro já veio? As pessoas à volta dele olharam para cá?
         -- Muitas olharam, sim. Eu vi quando passamos lá por perto. Mas ainda não tinham trazido Édobec.
         -- Cyprien, o que você está tramando? É algum plano? -- sussurrou Tina, inclinando-se para mim. - Você pensou em alguma coisa para...
         -- Sim, pensei! Para ajudar Édobec -- confirmei, e os olhos dela brilharam. -- Eu já tinha decidido fazer isso, apesar dos riscos; mas, se vocês participarem, tenho quase certeza de que vou conseguir.
         -- Claro que vai! E pode contar comigo! -- exclamou Tina. Perplexos, Nayla e o tecelão se entreolharam, enquanto Aymon sorria, sabendo que tinha sido o único a compreender meu plano. Doze anos fazendo acrobacia juntos são um meio seguro de entrar em harmonia.
        -- Por favor, pessoal -- pediu Thierry, com o cenho franzido. -- Eu estou disposto a ajudar, se não houver risco para a minha pele, mas alguém quer me explicar o que está acontecendo? Que plano é esse que Cyprien inventou na última hora?
        -- Ele quer atrair a atenção do público -- disse Aymon, já meio eufórico. -- Na hora da execução, quer estar aqui fazendo teatro de sombras, e as pessoas prestariam atenção nisso e alguém daria a poção ao Édobec.
        -- É isso, Cyprien? Parece um bom plano -- animou-se Cassius. -- Quer dizer, há perigo, mas é melhor do que simplesmente ir lá e dar a beberagem ao velho.
        -- Sim, mas quem vai fazer isso? -- perguntou Nayla. -- Aymon e eu talvez fôssemos ágeis o bastante... mas...
        -- Não. -- Essa era uma questão fechada, desde que eu decidira correr o risco. - Sou eu que vou fazê-lo, pois foi a mim que Rowenna pediu; e também sabemos que sou eu que tenho mais chances. O teatro deve ser feito por vocês... Isto é, por um de vocês, que deve ficar aqui em cima com Tina.
        Dizendo isso, eu apertava os lábios, pois não me agradava nem um pouco a ideia de outro rapaz com a minha namorada. Por sua vez, eles também não ficaram à vontade, e o constrangimento aumentou ainda mais depois das palavras de Nayla.
      -- Uma briga não vai prender a atenção por muito tempo. -- Parou, como se hesitasse em dizer o que estava pensando. -- Lá embaixo, as pessoas estavam apostando que ia haver outro tipo de coisa, e... Bom... Vocês devem saber ao que estou me referindo.
      -- Mas é claro! Abraços e carinhos e coisas assim -- riu Thierry. -- E se ela tirar a roupa...
        -- O quê? Está louco? -- protestou Tina, em tom exaltado. -- Como é que eu vou ficar nua na frente de um de vocês?
       -- E não gostei dos “abraços e carinhos” -- disse eu.
       -- Ora, seria só um fingimento -- argumentou Nayla. -- Os dois se tocariam, é claro, mas não precisariam fazer nada de verdade. Na sombra, é só encostar o rosto para dar a impressão de um beijo, e a imaginação das pessoas se encarrega do resto.
        -- Imaginação, é? Então por que não fica você? -- desafiou Tina. -- Fique aqui, com um dos rapazes, e...
Parou, percebendo subitamente que o problema estava resolvido; e o mesmo pensou a maior parte de nós. Por que nos daríamos ao trabalho de fingir, quando dispúnhamos de um casal de verdade?
        -- Então, não vamos perder tempo -- disse eu, voltando a me animar. -- Nayla e Thierry ficam aqui em cima, fora do foco de luz, enquanto nós descemos. Meu plano é prevenir pessoas amigas, que estejam na praça, para que na hora façam bastante barulho, chamando a atenção para o casal aqui no sobrado. Quanto a vocês dois, vou pedir a um músico que fique por perto, para dar o sinal quando for a hora. Uns acordes da “Canção da Lua”, por exemplo. Quando vocês ouvirem, vêm para este ponto, onde eu estava com Tina, e começam o espetáculo. Bem devagar, para que haja bastante suspense. Mas lembrem-se, não devem sair do lugar onde a sombra vai ser projetada; e se ouvirem o sinal de novo, parem o que estiverem fazendo e deem o fora, certo?
       -- Certo -- sorriu Thierry.
       -- Errado -- disse Nayla, em tom cortante. Surpresos, todos nós olhamos para ela, à espera de uma explicação. Não era possível que um medo repentino a houvesse feito recuar.
        -- Não desisti, nem estou com medo -- disse ela, quando fiz a pergunta. -- Simplesmente não quero ficar aqui em cima com Thierry. Não quero mais nada com ele depois do que fez ontem à noite.
        -- Que lindo -- suspirou Thierry, com ar de enfado. -- Assim, retornamos à estaca zero. Ora, deixe de ser estúpida, garota. Enquanto você se faz de difícil, nós perdemos tempo, e talvez acabemos por não conseguir nada. Venha, vamos fazer as pazes de uma vez, e depois Cyprien e os outros vão poder ir cuidar da sua parte.
      Avançou, com a intenção evidente de abraçá-la, mas Nayla se afastou dele, recuando na direção dos lençóis. Lá fora, a multidão protestava em altos brados contra o atraso, e isso aumentou ainda mais a nossa tensão. Naquelas circunstâncias, era quase impossível não apoiar Thierry.

*****

Parte 1
Parte 13

Conheça O Jogo do Equilíbrio, novela em que Cyprien já está em outra fase da vida.

Saiba mais sobre o personagem clicando aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário